quarta-feira, 6 de abril de 2011

A VIDA É UM FUNIL



No topo desse funil estão todas as pessoas que nos cercam. São as pessoas que por um momento qualquer nos deparamos com elas na rua, no ônibus, que assim como nós vão para algum lugar.
Essas pessoas em sua maioria não se preocupam conosco e nem nós com elas. Não importa para elas ou para nós, se elas estão chorando ou sorrindo. Nem sempre elas se colocam em nosso lugar e nem nós no lugar delas.
Mais abaixo do funil estão os nossos amigos, que saíram do nível mais acima e vieram viver um pouco conosco no nível mais abaixo, dividir um pouco de sua vida e nós a nossa com elas. Essas pessoas nesse nível do funil normalmente já começam a se preocupar conosco, ou pelos menos fingem se preocuparem. Pois muitos só nos enchergam quando estamos bem, cheio de dinheiro, saúde. Quando estamos está mau quase todos desaparecem.
No outro nível mais abaixo estão nossos parentes. Esses já são mais próximos de nós. Quis Deus ou o destino que nascêssemos com o mesmo sangue. Sendo assim não Há outra opção a não ser gostar um do outro. Por amor e como não há outra opção, por obrigação.
No bico do funil, no lugar mais apertado não vai ninguém conosco. Esse lugar são aqueles momentos na vida que temos que passar sozinhos, sem ninguém se preocupando ou nos ajudando com nossa dor. É um lugar difícil e se tivéssemos outra opção não passaríamos por ele, mais todos têm que passar, é uma lei da vida, uma realidade.
Porém, a melhor forma de passar pelo bico do funil sem maiores sofrimentos é vivendo todas as fases desse funil (vida), convivendo com todas as pessoas que nos cercam, que são amigos, parentes, mais sempre lembrando que temos que passar nesse lugar sozinho.
Outra forma de nos prepararmos para esse momento difícil é viver a vida olhando para toda sua realidade, dimensão. Olhando tanto para o presente quanto para o futuro. Tanto para os prazeres mais também para os desprazeres. Tanto para as alegrias como também para as dores.
Enfim, um conselho: devemos viver a vida satisfazendo nosso corpo mais também nosso espírito. Tendo consciência que não somos uma máquina mais um ser trino: corpo, alma e espírito. E ambos devem estarem em paz e em sintonia um com o outro. Todos devemos conhecê-los e alimentá-los adequadamente.
Por fim, devemos sempre olhar para Jesus, lendo a Bíblia, orando, pois Ele é a única pessoa que se preocupa realmente conosco e o único que está em todas as fases do funil, inclusiva naquele biquinho bem apertadinho, que só nós teremos que passar.

Texto de Alexandro Arruda

2 comentários:

  1. "No bico do funil,
    no lugar mais apertado
    não vai ninguém conosco."

    Pode não ir nenhum parente,
    pode não ir nenhum amigo;
    mas eu sei de Alguém que vai conosco.
    E você também sabe.

    ResponderExcluir